quinta-feira, 21 de outubro de 2010

Robert Mapplethorpe - Fotógrafo

Robert Mapplethorpe nasceu em 1946, em Floral Park, Queens. Criado numa família católica de classe media, registrou em preto-e-branco temas abertamente chocantes, retirados do submundo gay de Nova York. Da sua infância, ele disse: "Eu venho da América suburbana. Era um ambiente muito seguro e foi um bom lugar para viver na medida em que era um bom lugar para sair."
Visões antagônicas circularam sobre ele. Ora visto como um artista sem escrúpulos que venderia sua arte em troca de poder e fortuna e mesmo um racista, ora visto como um artista sensível, cuja estética realista e formal põe a sexualidade no centro da discussão, com o propósito de sacudir convenções sociais e artísticas.



Ele adquiriu uma câmera Polaroid em 1970 e começou a produzir suas próprias fotografias para incorporar as colagens. Assumiu a homossexualidade na universidade, mas mesmo assim casou-se com a cantora Patti Smith, e se mudou para o Chelsea Hotel.

Em 1973, a Galeria de Luz em Nova York, montou sua primeira exposições, "Polaróides". Dois anos depois, ele adquiriu uma câmera médio formato Hasselblad e começou a fotografar seu círculo de amigos e conhecidos artistas, músicos, socialites, estrelas de cinema pornográfico e pessoas do underground.


Uma mostra de seus trabalhos, com cenas explicitas de sadomasoquismo gay, foi alvo de processo judicial em Cincinatti, envolveu a policia e desencadeou um acalorado debate sobre a censura no Pais.















Contemporaneo de Keith Haring, Jean-Michel Basquiat, o seu interesse em fotografia surgiu por causa de imagens de sex shops e publicações gays. 
Mapplethorpe produziu  imagens belíssimas; nus masculinos e femininos, flores delicadas naturezas-mortas e retratos de estúdio de artistas e celebridades, projetou cenários.





Ele também trabalhou em projetos comerciais, criação de capa do álbum de Patti Smith e uma série de retratos e imagens para Interview Magazine.



 "Black White + Gray: A Portrait of Sam Wagstaff and Robert Mapplethorpe."

Documentário de 2007 do diretor James Crump, sobre a relação entre o curador Sam Wagstaff,  Robert Mapplethorpe e Patti Smith.
Sam Wagstaff , colecionador e aristocrata, foi seu companheiro e ajudou a promovê-lo no circuito de arte novaiorquina. Wagstaff morreu em 1987 de Aids e lhe deixou uma fortuna de US$ 7 milhões.
Robert Mapplethorpe morreu de Aids, aos 42 anos, em 1989.



"Além do significado da arte histórica e social de sua obra, seu legado vive através do trabalho da Fundação Robert Mapplethorpe. Ele criou a Fundação em 1988 para promover a fotografia. O museu além do apoio à arte e de divulgar exposições fotográficas também ajudou a financiar pesquisas médicas na luta contra a AIDS e infecção pelo HIV-relacionada." FRM.

Nenhum comentário:

Postar um comentário