quinta-feira, 9 de junho de 2011

As coisas pequenas de nós mesmos - Maurício Eloy



Pintura Maurício Eloy

Um dia meu riso não existirá, todos aqueles papéis em que escrevi durante anos, serão lembranças – é estranho pensar assim...
Quando eu não existir as coisas todas não existirão, o que será de mim sem saber o que é sentir o meu não existir...
É estranho escrever algo que não sei o que é...se ao menos nem i...maginar consigo o meu não existir...
Dias atrás em que meus pensamentos não eram comportados, mergulhavam ora repletos de fantasias e ora silenciosos de devaneio, vi as pequenas coisas de nós mesmo:
A vontade de sentir saudades...
O silêncio dos livros na estante convidando os olhos a passear vagarosos pelas histórias reais, tão reais...
As lágrimas, tantas delas de tristeza ou de alegria que o corpo carrega pela vida...
Da lambida carregada do cachorro que sempre nos espera todo dia, dias e dias...
De risos nascidos de besteiras faladas na roda de amigos...
Da espera de alguém que pode ou não aparecer...mas a espera ansiosa de esperar sempre...
Um instante é a eternidade de um dia em que o tempo de nada vale se não a vontade de querer...
O meu riso ainda existe, não sei como será o seu não existir, que o instante dure a eternidade do vestígio das pequenas coisas que eu vivi...

Um comentário:

  1. Olá. Bom dia.
    Muito interessante o teu blog.
    Agradeço a visita e gentil comentário em meu blog de desenhos.
    Obrigado.
    Um beijo.

    ResponderExcluir