sábado, 19 de novembro de 2011

Julia Margaret Cameron - Amor profundo pelo belo







































Julia Margaret Cameron nasceu em 11 de junho de 1815 em Calcutá, Índia, em uma rica família britânica.

Foi educada na França e Inglaterra antes de retornar para a Índia.

Em 1838, ela casou com o jurista Charles Hay Cameron.

Depois de se mudar para a Inglaterra em 1846, Cameron começou amizades importantes com os poetas Henry Alfred Tennyson e Taylor, enquanto sua irmã mais nova a apresentou a diversas figuras culturais e artísticas que freqüentavam sua casa em Londres.

Em 1863, Cameron recebeu uma câmera de sua filha de presente. Julia Margaret Cameron começou a fotografar com 48 anos. Ela converteu sua estufa, no jardim de sua casa, em um estúdio fotográfico.

Ela começou a tirar fotografias a sério em 1864 depois de se mudar para a Ilha de Wight. O contexto artístico de Cameron para suas fotografias foi seu círculo social de pintores, escritores, críticos e intelectuais. Criou mais de mil imagens ao longo de 14 anos.

Cameron foi membro das sociedades fotográfica em Londres e Escócia. Seu estilo não era muito apreciado entre os críticos. No entanto, ela continuou fotografando alguns dos artistas mais influentes e escritores de seu tempo.

Ela fez uma série de retratos, de grandes homens de sua época, que incluía Alfred, Lord Tennyson, Charles Darwin, Henry Wadsworth Longfellow, Robert Browning e Sir John Herschel,  ilustrações em obras históricas ou literárias, retratos de crianças e melancólicas homenagens poéticas a beleza feminina.

Vivendo no auge da era vitoriana, Cameron não foi nada convencional, experimentando o meio relativamente novo da fotografia. Ambiciosa, promovia sua arte através de exposições e vendas, e perseguindo os homens eminentes de seu tempo .Uma artista notável que estava décadas à frente de seu tempo.

Seu trabalho foi registrado nos diários de sua sobrinha, Virginia Woolf.

Pioneira nas várias técnicas concebidas para aumentar as possibilidades expressivas do retrato, que incluia foco suave e imagens cuidadosamente turvas, close-up, e o uso criativo da iluminação.

Morreu em 26 de janeiro de 1879 em Kalutara, Ceilão, Sri Lanka.
 
 
Sua casa, Dimbola Lodge, na Ilha de Wight é aberta ao público como um museu e espaço para exposições fotográficas. .(http://www.dimbola.co.uk/)

 
 
"A casa da lendária pioneira fotógrafa Julia Margaret Cameron - que praticamente inventou o close-up e a fotografia como uma forma de arte ... a casa foi totalmente restaurada para sua glória vitoriana - Julia era um fã do "Arts and Crafts", e trouxe para esse movimento  sua própria herança indiana. Uma estátua de Jimi Hendrix ao lado de fora, para indicar que a casa dispõe de duas telas da vida e obra de Julia Cameron na década de 1860, e dos Festivais de Pop, um século mais tarde . Adicione a isso um programa de grandes exposições , de David Bailey para Patti Smith,  uma exposição de câmeras através dos tempos, e um salão de chá muito amado - reconhecido pela sua comida recém cozida e bolos caseiros - e você tem um lugar já descrito como um "  prazer inesperado " e do " segredo mais bem guardado na Ilha de Wight ".
 Dr.Brian Hinton - Chairman of the Julia Margaret Cameron Trust.

Julia Margaret Cameron from bere Cibiac on Vimeo.

2 comentários:

  1. Gosto de ver fotografias. Parabéns pela postagem. Um abraço, Yayá.

    ResponderExcluir
  2. Muito me alegra ver que você gosta dos meus textos!

    Comecei a seguir seu blog por causa que aqui abriga uma das coisas que gosto muito: fotografias (e música).

    Parece que você entende do assunto, risos.

    Um beijo, flor!

    E obrigada pelas visitas!

    ResponderExcluir