terça-feira, 24 de maio de 2011

Rosa Mystica - Oscar Wilde





DESCANSE

PISA DE LEVE. ELA ESTÁ PERTO,

SOB A NEVE:

FALA SUAVEMENTE, ELA PODE OUVIR

CRESCEREM AS MARGARIDAS.

TODA A SUA BRILHANTE CABELEIRA DOURADA

ESTÁ MANCHADA DE FERRUGEM;

ELA, QUE ERA JOVEM E BELA,

CONVERTEU-SE EM PÓ.

SEMELHANTE AO LÍRIO, BRANCA COMO A NEVE,

APENAS SABIA

QUE ERA MULHER,

TÃO SUAVEMENTE HAVIA CRESCIDO.

AS TÁBUAS DO ATAÚDE E UMA PESADA LOUSA

PESAM-LHE NO PEITO

AFLITO ESTÁ MEU SOLITÁRIO CORAÇÃO;

ELA DESCANSA EM PAZ.

SILÊNCIO, SILÊNCIO ELA NÃO PODE OUVIR

A LIRA OU O SONETO;

TODA MINHA VIDA ESTÁ ENTERRADA AQUI,

AMONTOAI TERRA SOBRE ELA.

Nenhum comentário:

Postar um comentário