quarta-feira, 24 de agosto de 2011

Hermann Hesse - Noites de Verão


Gravura de Martin Lewis

Noites de Verão 

Pingos caem, o ar está inquieto.
Não sopra nenhum vento.
Na rua um ébrio canta longamente:
é um canto incerto e frágil como uma criança.

Cala-se agora:
O céu se dilacera,
e no intenso azul claro do relâmpago
fulgura a rua.

Como um trotar de cavalos brancos
vem o barulho da chuva.
Apagadas as luzes, dissolvidas as formas,
águas se precipitam e me rendem cativo.


Poesia de Hermann Hesse
Livro - Andares - Antologia Poética
Editora Nova Fronteira

Nenhum comentário:

Postar um comentário