segunda-feira, 25 de junho de 2012

Philip K Dick


Mestre da ficção científica, tímido, visionário, um profeta, com medo de sair de casa, medo de multidões, mergulhado em fantasias paranoicas e traumas de infância, o romancista que escreveu Blade Runner mas não chegou a assistir a estréia do filme.
Foi o precussor da literatura cyberpunk temas científicos sobre clonagem e uma visão complexa sobre a relação homem-máquina.

Morreu em 1982, aos 53 anos, atormentado por visões místicas, de redemoinho rosa, de três olhos invasores e mensagens do Império Romano.
Philip K. Dick escreveu mais de 44 romances, 36 de ficção científica, 121 contos e uma biografia.


Anne Rubenstein Dick, sua terceira esposa,( hoje com 83 anos) no auge da popularidade das teorias freudianas, o presenteou com o livro I Ching- o Livro das Mutações de Richard Wilhelm com prefácio de Carl Jung,  que acabaria se tornando um dos argumentos principais de O Homem do Castelo Alto(The Man in the High Castle).
Cenário sombrio. A história se passa nos anos 60, a Segunda Guerra Mundial foi vencida pleos nazistas. O mundo vive sob o domínio da Alemanha nazista e do Japão. A escravidão é legal, mais uma vez, os poucos judeus que ainda sobrevivem se escondem sob falsos nomes.  Em São Francisco o I Ching é tão comum como as páginas amarelas. Ao apresentar uma versão alternativa da história, Dick levanta a grande questão: “O que é a realidade, afinal?”
Do Androids Dream of Electric Sheep
Blade Runner -Longa-metragem dirigido por Ridley Scot versão de Do Androids Dream of Electric Sheep.

"No livro, o leitor é convidado a ingressar em um universo onde nada é o que parece ser. Com a destruição de quase toda a vida sobre a Terra depois da Guerra Mundial Terminus, robôs substituem animais de estimação e máquinas de todos os tipos disputam o controle sobre a consciência dos homens. Escalado para retirar de circulação os dróides rebeldes que se escondem na Califórnia do Norte, Rick Deckard se vê às voltas com a tarefa mais difícil de sua vida: localizar e destruir seis perigosos replicantes extra-inteligentes de última geração que acabaram de chegar à Terra. Os temíveis Nexus-6.
Para sobreviver e cumprir a missão, Rick Deckard é obrigado a aceitar a ajuda de uma suposta inimiga. Rachel Rosen, uma legítima andróide modelo Nexus-6, legalmente estabelecida na Terra, oferece seus serviços para auxiliá-lo na caçada aos seis rebeldes fugitivos. O estreito relacionamento que desenvolve com a robô-humanóide, no entanto, faz o caçador de recompensas questionar a ética de seu trabalho e a própria tarefa de que está incumbido. No universo magistralmente construído por Philip K. Dick, as surpresas sempre vêm de onde menos se espera.
No romance, não faltam elementos típicos da obra de Philip K. Dick. Estão lá o questionamento acerca da realidade, além do uso da tecnologia como ferramenta para os personagens perderem o controle de suas vidas e perceberem que o real é mais nebuloso ou impreciso do que parece. Publicado originalmente em 1968, O caçador de andróides ganhou reimpressões sucessivas desde que foi lançado e já foi traduzido para 25 países."
Editora Rocco

Cenas e frases do filme - http://rabiscosdabere.blogspot.com/search/label/Blade%20Runner


O filme dirigido por Richard Linklater, tem Keanu Reeves, Robert Downey Jr., Woody Harrelson e Winona Ryder no elenco.

"Em um futuro não muito distante, a cidade de Los Angeles é rastreada 24h por scanners, infestada por milhares de insetos imaginários e tomada pelo tráfico de drogas cujo principal produto é a "Slow Death" ou "Substância D" - que afeta os hemisférios cerebrais e causa uma dependência jamais vista. Neste cenário, o agente duplo Bob Arctor tenta descobrir quem são os principais traficantes da cidade, mas pode sucumbir aos apelos de uma viciada sedutora, durante a deliciosa trama de O homem duplo (A scanner darkly).
Em vez de ricos e pobres, a divisão social no Condado de Orange é feita entre viciados e caretas. Bob Arctor – ou Fred para o departamento de polícia onde trabalha – é encarregado de desmontar quadrilhas que produzem a temida "Substância D". Disfarçado de usuário, ele mora com dois "amigos", ambos empenhados em experimentar e produzir novas drogas diariamente. Para proteger sua identidade – em uma era onde todos os telefones do mundo são grampeados – ele tem que usar um "traje misturador" e não pode deixar qualquer rastro de escuta. O perigo torna-se ainda maior quando o agente descobre que um dos seus "amigos" está tentando assassiná-lo.
Supostamente para manter o disfarce, Bob Arctor experimenta doses diárias de "Slow Death" que compra de Donna, uma bonita fornecedora com quem começa a se envolver. Mas o vício pela "Substância D" faz com que ele fique confuso entre as identidades de viciado, pai de família e policial. Enviado a um grupo de médicos o diagnóstico é familiar: com o uso da droga letal os dois hemisférios de seu cérebro começaram a competir entre si, formando personalidades cada vez mais distintas, porém aprisionadas em um só corpo. E Bob Arctor pode terminar os dias na temida New Path, uma instituição de recuperação de drogados.
No romance, não faltam elementos típicos da obra de Philip K. Dick. Estão lá referências cinematográficas clássicas como os filmes "Planeta dos macacos" e "Easy Rider". Não faltam também diálogos sobre funcionamento de máquinas e novas tecnologias que sobrevivem, até hoje, no mundo de Philip K. Dick.
O homem duplo foi escrito como uma homenagem do autor a amigos que tiveram graves problemas com o uso de drogas nos anos 70. Logo na abertura do livro, ele escreve: "Esses foram amigos que tive; não há melhores. Eles permanecem em meu pensamento, e o inimigo nunca será perdoado. O ‘inimigo’ foi o erro ao brincar. Que eles brinquem novamente, de alguma outra forma e que sejam felizes." Uma mensagem do autor às pessoas que quiseram se divertir para sempre mas foram duramente castigadas por isso. Entre as cenas de psicodelia, há espaço para uma mensagem de alerta – e também de esperança.
A adaptação cinematográfica do romance rodada em rotoscopia – técnica em que os frames do filme servem de base para uma animação. Dirigida por Richard Linklater, o filme tem Keanu Reeves, Robert Downey Jr., Woody Harrelson e Winona Ryder no elenco.
Desde que foi lançado, há exatos 30 anos, O Homem Duplo ganhou reimpressões ininterruptas nos Estados Unidos e figura entre os três romances mais vendidos e populares do escritor norte-americano"
Editora Rocco


Valis- Um dos últimos livros escritos por Philip K. Dick, VALIS conta a história de Horselover Fat, um sujeito melancólico e obsessivo que tem uma estranha revelação divina. Fat está convencido de que uma entidade superior, que já foi Buda e Jesus, está para nascer a qualquer momento, e não vai descansar enquanto não encontrá-la.
Neste “romance policial teológico”, Dick surpreende ao ser narrador e personagem da trama. Impiedosamente honesto, revela-se sem disfarces, sem medo de assumir a própria loucura. Uma obra perturbadora, enigmática, genial e cruelmente engraçada. Definitivamente Philip K. Dick.

A Experiencia Religiosa de Philip K Dick
Esse é a história de Robert Crumb publicada em 1986 na revista Weirdo nr17 sobre a experiência mística de Philip K. Dick retratada no romance "Valis". 
A história é uma interpretação gráfica de uma série de eventos que Dick vivenciou no mês de março de 1974. Ele passou o resto de sua vida tentando descobrir o que teria acontecido durante aquele período.



Ubik é uma  história sobre a morte e a salvação escrita. Em uma sociedade futurista, Glen Runciter é dono de uma empresa responsável por rastrear psis, indivíduos com habilidades especiais, como telepatas e precogs. Ele e seus funcionários caem na armadilha de uma empresa rival, e Runciter morre. Seus funcionários passam a receber estranhas mensagens de Runciter em moedas e embalagens de cigarro. O tempo começa a retroceder e eles terão que lutar contra a degeneração física e mental. A solução pode estar no spray Ubik, mas conforme a trama se desenvolve, menos fica claro quem realmente precisa ser salvo.

Os três estigmas de Palmer Eldritch -Num futuro não tão distante, quando o exílio compulsório de um planeta Terra excessivamente quente significa instalar-se miseravelmente em colônias marcianas, a única coisa que faz a vida dos colonizadores suportável são as drogas. Única em sua finalidade, a Can-D "traduz" aqueles que a consomem para uma outra realidade. 
No entanto, o surgimento de um concorrente abre uma disputa por esse mercado. Chamada Chew-Z, a nova substância é comercializada sob o slogan "Deus promete a vida eterna; nós cumprimos a promessa". Mas a questão é: Que tipo de eternidade ela oferece? E quem - ou o que - será seu portador?

Marvel Comics Super Special: "Blade Runner", lançada em 1982 pela Marvel Comics, escrita por Archie Goodwin com arte de Al Williamson, Carlos Garzon with Dan Green and Ralph Reese.



"Do Androids Dream of Electric Sheep?" lançada em 2009 pela Boom!Studios - inspirada no filme "Blade Runner", a série com 24 capítulos ilustrados por Tony Parker e texto original de Philip K. Dick.

LIVROS QUE VIRARAM FILMES:


Impostor (1953): publicado no início da carreira de Philip K. Dick, este conto deu origem ao filme de mesmo título, lançado em 2002, com direção de Gary Fleder e Gary Sinise no papel principal.


Second Variety (1953): o conto serviu de ponto de partida para a produçãoScreamers, de 1995, dirigido por Christian Duguay, com Peter Weller e Roy Dupuis no elenco.

Paycheck (1993): a história do gênio da engenharia especializado em projetos ultramodernos e secretos para as grandes corporações chegou às telas de cinema em 2003, com direção de John Woo, com Ben Affleck e Uma Thurman no elenco.

Minority Report (1956): este conto deu origem ao thriller futurista de Steven Spielberg. Com orçamento de U$130 milhões de dólares, o filme estreou em 2002 com o astro Tom Cruise no papel do agente John Anderton.

We can remember it for you wholesale (1966): o conto serviu de inspiração para o filme Total Recall – O vingador do futuro, de 1990, com Arnold Schwarzenegger e Sharon Stone nos papéis principais.

The Golden Man (2007) : o conto serviu de inspiração para o filme Next com Nicolas Cage, Julianne Moore, Jessica Biel, Thomas Kretschmann, dirigido por Lee Tamahori.


Radio Free Albemuth (1985): dirigido por John Alan Simon com Alanis Morissette e outros.

King of the Elves( a ser lançado) - O Projeto Escrito por Michael Markowitz é uma adaptação de uma história de Philip K. Dick acerca de um bando de elfos e um anão que vivem no Delta do Mississippi que elegem um ser humano como seu rei depois que ele os salva de um troll mal.

Um comentário: